Quem
Somos
Produtos Produtos em
uma Página
Informações Artigos Download Estabelecimentos
Kosher
Certificação
Kosher
Pontos
de Venda
Fale
Conosco
Quem
Somos
Produtos Produtos em
uma Página
Informações Artigos Download Estabelecimentos
Kosher
Certificação
Kosher
Pontos
de Venda
Fale
Conosco
Facebook da LKB Instagram da BDK
Notícias
10/04/2014 Pëssach - 5774 « Voltar

A mitsvá de comermos matsá em Pêssach tem dois significados. O primeiro é lembrar do tempo de escravidão no Egito, afinal, quando éramos escravos a alimentação diária era matsá. Alimento barato que sustenta e tem digestão lenta, representando uma boa opção para os escravos. Por outro lado, lembra nossa liberdade, uma vez que ao sairmos do Egito com tanta rapidez, pois fomos expulsos pelos egípcios - não deu tempo da massa fermentar, ficando matsot.

Muito curioso! Um alimento aparentemente paradoxal. Representa a escravidão e ao mesmo tempo a libertação!

Não é estranho que D’us nos ordene comemorar a liberdade comendo aquele pão, que era a nossa alimentação como escravos durante mais de 1 século? Por que justo o alimento da escravidão para festejarmos a liberdade? Para festejar a liberdade, poderíamos comer um pão diferente, que demonstre a diferença entre antes e depois...

A Torá está nos ensinando uma grande lição! Para uma pessoa se sentir livre, não precisa comer um alimento diferente. Pelo contrário, a necessidade de prazeres físicos representa uma escravidão.

D’us enfatiza que a liberdade não é externa, mas algo interno. Podemos sim, comer o mesmo pedaço de matsá, no entanto, agora somos e nos sentimos homens livres. Esta é a verdadeira liberdade!

Da mesma forma, em Sucot saímos de nossos lares para morarmos na Sucá, lembrando que a alegria não depende do luxo de nossas casas e que, mesmo numa cabana simples, somos pessoas alegres, pois a alegria é algo interno e não externo.

Que D’us nos possibilite sermos felizes e livres em nosso íntimo!

 

CHAG SAMEACH!

 

(baseado no ensinamento do Rav Yissochor Frand)