Quem
Somos
Produtos Produtos em
uma Página
Informações Artigos Download Estabelecimentos
Kosher
Certificação
Kosher
Pontos
de Venda
Fale
Conosco
Quem
Somos
Produtos Produtos em
uma Página
Informações Artigos Download Estabelecimentos
Kosher
Certificação
Kosher
Pontos
de Venda
Fale
Conosco
Facebook da LKB Instagram da BDK
Artigos
Guia de Kashrut para Remédios, Vitaminas e Suplementos Nutricionais « Voltar

Guia de Kashrut para Remédios, Vitaminas e Suplementos Nutricionais

Rabino Dovid Heber, Administrador de Kashrut da Star-K - Baltimore

(Traduzido pelo BDK com permissão do autor. O artigo expressa a opinião do autor.
Contudo, pode haver opiniões diferentes quanto a alguns detalhes.)

A venda mundial de produtos farmacêuticos no mundo é avaliada em 500 bilhões de dólares anuais.1 Por este motivo, não é de se admirar que o interesse em certificação e homologação kosher para estes produtos também tem crescido demasiadamente. A princípio, deve-se adquirir um desses produtos com certificação kosher. No entanto, isso nem sempre é viável. É por esta razão que uma das perguntas mais freqüentes no hotline da Star-K diz respeito ao estado kosher desses remédios. Como um esforço para esclarecer as numerosas questões relativas a estes produtos populares, a Star-K, preparou as seguintes orientações haláchicas baseadas no pessak (veredicto) do Rabino Moshe Heinemann, shelit"a, Administrador Rabínico da Star-K. 2

Categorias de doenças

Antes de determinar se um produto não kosher pode ser tomado, primeiro devemos identificar a categoria de doença. Existem três categorias de doenças:

I. Cholê Sheyesh Bo Sakaná - Alguém que está doente e cuja vida pode estar em perigo. Um cholê sheyesh bo sakaná poderá utilizar qualquer medicação não kosher se um medicamento kosher de mesma eficácia não estiver prontamente disponível. Está incluso nesta categoria uma pessoa cuja vida não está atualmente em perigo, mas, se não for tratada poderá desenvolver uma complicação com risco de vida. Isso inclui uma pessoa idosa que está gripada ou um bebê com febre.

Exemplos adicionais que estão inclusos nestas regras:

Pessoas cardiopatas, com diabetes, com pressão arterial substancialmente elevada, doenças renais, depressão grave ou qualquer outra condição séria.

Uso de antibióticos não-kosher por alguém com uma infecção (exceto para as infecções cutâneas conhecidas como não ameaçadoras à vida; por exemplo, acne).

Uma mulher grávida cuja vida está em perigo (por exemplo, distúrbios de coagulação, toxemia), que está em trabalho de parto, ou que está em perigo de ter um aborto espontâneo.

Uma mulher que tenha dado à luz nos últimos sete dias, sem quaisquer complicações conhecidas ou que tenha complicações pós-parto que são ou podem se tornar fatais. Este pode ser aplicável por um longo período de tempo, dependendo de seu estado.

Todas as instruções dadas pelo médico devem ser cuidadosamente seguidas, inclusive tomando a medicação pelo número de dias prescritos, mesmo que os sintomas tenham abrandado. Isto também se aplica aos medicamentos não kosher com aromas e sabores bons. Todas as anteriores são igualmente aplicáveis em Pêssach ao medicamento que contém chamêts.

II. Cholê She'ein Bo Sakaná - Alguém cuja vida não está em perigo. Isso inclui qualquer um que está de cama, ou é perceptível seu funcionamento abaixo do padrão devido à dor ou doença, ou tem uma febre que não é potencialmente fatal. Uma criança com menos de seis anos de idade que tem desconforto é também considerada um cholê she'ein bo sakaná. Esta categoria inclui ainda os seguintes casos:

Uma pessoa que está com os sintomas de gripe.

Uma pessoa que sofre de dor debilitante de artrite crônica.

Uma pessoa que sofre de enxaqueca ou leve depressão.

Uma mulher grávida que sofre de complicações não-fatais (por exemplo, pequena dor nas costas).

Uma mulher que tenha dado à luz nos últimos trinta dias, sem quaisquer problemas conhecidos ou que tenha complicações pós-parto não fatais. Este pode ser aplicável por um período extenso de tempo.

Uma criança com menos de seis anos com qualquer doença ou desconforto.

Estes listados acima podem tomar medicação não kosher, shelo kederech achilá, de uma forma incomum de comer, se não há facilmente uma alternativa kosher.3 Os itens que se destinam a ser engolidos4 sem mastigar (drágeas, comprimidos, e até mesmo cápsulas de gelatina), comprimidos para mastigar com sabor ruim e líquidos com sabor ruim têm o status de shelo kederech achilá. Por exemplo, se alguém está gripado, e o único redutor de febre disponível é uma cápsula gelatinosa não kosher, a pessoa poderá tomar o produto. Do mesmo modo, uma pessoa pode tomar Celebra - Celecoxibe (Celebrex) em uma cápsula gelatinosa ou comprimidos contendo condroton (chondroiton) (derivado da cartilagem da traquéia de bovinos não kosher) para a artrite crônica debilitante.5 No entanto, em circunstâncias normais não se pode ingerir um produto não kosher se este exige ser comido de maneira normal (por exemplo, comprimidos mastigáveis não kosher com sabor agradável).

III. Meychush e Bari - Uma pessoa que está sentindo um ligeiro desconforto6 (por exemplo, uma ligeira dor articular ou corrimento nasal), ou está saudável7 e toma vitaminas e suplementos para manter a boa saúde devem fazer todos os esforços para assegurar que o produto ou é certificado kosher ou contém todos os ingredientes kosher. Se isso não for possível, um Rabino deverá ser consultado, pois em alguns casos produtos não kosher que são ingeridos shelo kederech achilá podem ser permitidos.8 Tomar medicação não kosher que exige comer de uma forma normal (por exemplo, comprimidos mastigáveis não kosher com sabor agradável) não é permitido.

IV. Prevenção

Se uma pessoa está saudável, ou tem um ligeiro desconforto e seu médico diz que existe um elevado risco de ele se tornar um cholê sheyêsh bo sakaná ou até mesmo um cholê she'ein bo sakaná, essa pessoa pode tomar suplementos não-kosher shelo kederech achilá, de uma maneira incomum. Por exemplo, se um médico aconselha TRH9 para uma mulher de meia-idade para evitar a osteoporose, uma condição comum em mulheres idosas, ela pode tomar uma cápsula ou comprimido não kosher se um substituto igualmente eficaz kosher está indisponível. Da mesma forma, se um médico recomenda tomar uma vitamina não kosher especialmente formulada para alguém que tem um alto risco de desenvolver degeneração macular (uma doença na parte central da retina que leva a cegueira), é permitido tomar o produto. No entanto, se um indivíduo saudável pretende tomar suplementos não kosher para prevenir uma doença que é pouco provável que aconteça, um Rabino deverá ser consultado, uma vez que a halachá é semelhante a uma pessoa que tenha um meychush.

Tipos de Medicamentos e Remédios

A seguir abordaremos as diferentes halachot quanto a produtos específicos.

I. Cápsulas Gelatinosas - Gelatina é um ingrediente proveniente de animais. A menos que seja feita sob condições estritas kosher (isto é, animais abatidos conforme a halachá ou peixes kosher) ou que seja feita a partir de substitutos de gelatina (por exemplo, cápsulas à base de vegetais), o produto não é kosher. Engolir uma cápsula é considerado shelo kederech achilá e pode ser tomada por uma pessoa doente, mesmo que ele não está em perigo. Uma pessoa que tem um meychush ou que está em bom estado de saúde deve consultar um Rabino antes de tomar uma cápsula gelatinosa.10

II. Comprimidos - Em comprimidos, os ingredientes não kosher mais comuns possivelmente encontrados são estearato de magnésio, estearato de cálcio, e ácido esteárico. Estes ingredientes inativos servem como lubrificantes que permitem que os medicamentos em pó "fluam" pelo equipamento do processo de forma adequada. Os estearatos também tornam mais fácil para que os comprimidos acabados se "soltem" da máquina na fase final da compressão em que o comprimido é formado. Estes ingredientes esteáricos podem ser derivados de animais ou vegetais. No entanto, em circunstâncias normais, para lubrificação é suficiente conter menos de 1,6% de estearatos, tornando-os batel beshishim e permitido. Assim, mesmo uma pessoa que tenha um meychush ou que está em bom estado de saúde, podem tomar comprimidos se a única preocupação de kashrut for se os estearatos estão ou não batel.11

Se o comprimido é definitivamente não kosher ou contém ingredientes que podem não ser kosher (por exemplo, polissorbato 80, triacetina), uma pessoa doente - apesar de não estar em risco - pode tomá-lo shelo kederech achilá.12 No entanto, uma pessoa que tem um meychush e acha necessário tomar essa medicação não kosher, deve consultar um Rabino.13 O mesmo é válido para um doente adulto ou uma criança que não está em perigo, mas requer comprimidos mastigáveis não kosher aromatizados (ou seja, kederech achilá).

III. Xaropes e Líquidos - Estes produtos são considerados kederech achilá porque contêm sabores que lhes dão um bom sabor. O mais problemático ingrediente (mas não quer dizer o único ingrediente) nestes produtos é a glicerina. Este ingrediente, que não é batel beshishim no elixir e se presente normalmente é listado como um ingrediente inativo. Este é obtido a partir de animais, vegetais, ou fontes de petróleo. Infelizmente, é muito difícil determinar qual é utilizado, pois glicerina é vendida por distribuidores que vendem muitas vezes tanto glicerina kosher como não kosher a fabricantes de produtos farmacêuticos. Por isso, de preferência deve-se comprar xaropes de tosse, medicamentos líquidos para crianças e outros elixires com um hechsher (supervisão) ou olhar na embalagem para garantir que o produto não contém glicerina ou outros ingredientes possivelmente problemáticos.

O que pode fazer uma pessoa que tenha um meychush ou até mesmo uma pessoa cuja vida não está em perigo, se ele entende ser necessário tomar uma medicação liquida com bom sabor e esta contém glicerina, que pode não ser kosher? A solução é misturar para cada colher de chá (5ml) de elixir em pelo menos 60ml de água, suco ou refrigerante. A eventual glicerina não kosher seria então batel beshishim14. (Estes métodos de porcentagem de bitul não podem ser aplicados a outros casos).  

IV. Vitaminas - Idealmente, deve-se tomar vitaminas com certificado kosher. A Star-K e outras agências de kashrut constantemente certificam vitaminas de várias empresas, tal como referidos na lista de aprovações de medicações da Star-K (http://www.star-k.com/cons-appr-medecine.htm). Muitas marcas de vitaminas kosher estão disponíveis em qualquer lugar dos Estados Unidos por intermédio de marketeiros de rede e distribuidores que comercializam os seus produtos através de vários meios, incluindo as gratuitas hotline. No entanto, no caso de uma determinada vitamina ou suplemento nutricional não estar disponível com certificação kosher, aplica-se as seguintes orientações:

  • Complexos vitamínicos contêm muitas vezes ingredientes não kosher que não estão listados no rótulo. Em especial, as vitaminas A e D naturais podem ser provenientes de fontes não kosher. Além disso, a vitamina E, beta-caroteno, naturais ou sintéticas e vitaminas A e D podem ser misturadas com gelatina não kosher.15 Uma marca kosher é recomendada. Em circunstâncias normais, não se pode tomar um complexo vitamínico mastigável não certificado.
  • Vitaminas pré-natais são um tipo de complexo vitamínico tomado por mulheres grávidas. Tal como anteriormente indicado, complexos vitamínicos podem conter componentes vitamínicos não kosher. Felizmente, hoje há disponível muitas vitaminas pré-natais kosher.16
  • Vitamina simples (por exemplo, vitamina C) ou comprimidos suplementares idealmente devem ser certificados com um hechsher. Se uma pessoa determinar que o componente e os ingredientes inativos são kosher, o produto pode ser tomado sem certificação.

 

V. Remédios Homeopáticos e Ervas - Em remédios homeopáticos, o ingrediente básico, conhecido como tintura-mãe, pode não ser kosher. Por exemplo, Lachesis é derivado de serpentes e Formica Rufa, de formigas. Tinturas-mãe não kosher são normalmente batel beshishim no diluente (um ingrediente usado para diluir a tintura-mãe). O ingrediente não kosher é batel se a potência for 2X ou maior ou 1C e maior (tal como indicado no rótulo).17

Evidentemente, é necessário também determinar que os diluentes são aprovados. Os diluentes mais comuns são lactose (açúcar do leite) e álcool.18 Estes ingredientes apresentam problemas de kashrut e idealmente exigem certificação kosher. Se o remédio homeopático não é certificado e sua base for de lactose e/ou de álcool, e tomar-se-ía shelo kederech achilá (por exemplo, um comprimido que é engolido ou colocado sob a língua e absorvido diretamente no fluxo sanguíneo e não por ingestão), e a tintura-mãe ou é kosher ou não kosher/batel beshishim, um Rav deve ser consultado. 19

Ervas medicinais geralmente consistem de uma erva, um solvente (para extração), e ingredientes inativos. Se os ingredientes inativos são kosher, estes produtos são geralmente aceitáveis.20

VI. Leite - Muitas vezes, medicamentos contêm lactose, um ingrediente lácteo que serve como um espessante.21 Se uma pessoa comer carne, deverá esperar pelo menos uma hora antes de tomar estes produtos lácteos.22 Isto é evidente, se for shelo kederech achilá . Isto é muito relevante para prescrições de OB-GIN para as mulheres, já que muitas vezes contêm lactose.

VII. Shabat - uma pessoa que tem um meychush no Shabat, não pode tomar medicação ou suplementos para ajudar a aliviar o desconforto.23 No entanto, alguém classificado como um cholê (quer esteja em perigo ou não) pode tomar todas as medicações necessárias. Alguém que esteja tomando medicação para evitar uma doença grave (por exemplo, alguém com pressão arterial elevada ou colesterol elevado) poderá fazê-lo em Shabat mesmo que não haja qualquer perigo. Em Shabat uma pessoa pode tomar antibióticos para uma infecção.24 Uma mulher grávida pode tomar todos os medicamentos e vitaminas necessários no Shabat. Alguém que está bem de saúde e toma um produto para alterar a função normal do corpo (p.ex. pílulas de cafeína para evitar adormecer), também pode tomar este produto no Shabat.

Ao tomar medicação, é correto falar a seguinte tefilá25 onde se pede que Hashem permita que o medicamento ou procedimento cure a doença: Yehi ratson milefanêcha Ad*nai El*hay sheyehê êssek ze li lirfuá ki rofê chinam áta. O Chafets Chayim explica que o objetivo desta tefilá é que para que a pessoa não pense que o medicamento é a única parte da cura. Pelo contrário, é o Ribono Shel Olam que faz com que o medicamento faça seu efeito. Com esta tefilá, uma pessoa que D'us nos livre fica doente, é dada a oportunidade de colocar a sua confiança no verdadeiro Rofê Cholim (Que cura os doentes).


1. Com base na investigação conduzida pelo IMS Health, Inc.

2. Este artigo é baseado em diversos artigos que têm aparecido na Kashrus Kurrents durante a última década. O objetivo deste artigo é o de resolver o status kosher e halachot desses remédios. Ele não é de modo algum destinado a aconselhar os consumidores quanto à questão de saber se um determinado produto é eficaz. A pessoa deve consultar o seu médico ou conselheiro de saúde quanto à eficácia e efeitos colaterais de cada produto e determinar quais os produtos que podem ser tomados. Este artigo aborda a kashrut durante o ano e não é um guia de Pêssach. Para informações de Pêssach, consulte o Guia Star-K de Pêssach publicado anualmente.

3. Shulchan Aruch YD 155:3.

4. Veja Minchat Shlomo 17.

5. Glucosamina, outro remédio comum para artrite, já está disponível na forma kosher. A Star-K certifica glucosamina derivada de legumes distribuídos pela Nutralife Health Products of Lakewood, NJ. Salvo especificação no rótulo, a maioria das outras glucosamines no mercado são derivadas de caranguejo, camarão, peixe ou lagosta que não são kasher. Uma pessoa que precisa tomar um produto não-kasher pode depender do seu nível de dor. Um Rav deverá ser consultado.

6. Ele tem um meychush.

7. Ele é um bari.

8. Veja o Shach YD 155:13,  baseado na explicação do Chochmat Adam (em Binat Adam 52). Veja também Mesorah vol. 14, pg. 90.

9. Terapia de Reposição Hormonal -  Estes produtos são frequentemente derivados de animais não kasher

10. Abrir a cápsula e remover o conteúdo "kasher" não é aconselhável, uma vez que removendo o produto da cápsula gelatinosa pode causar a perder o seu efeito pretendido. Um farmacêutico ou médico deve ser consultado para determinar se este método é aconselhável. Um líquido dentro de uma cápsula gelatinosa pode se tornar não-kasher baseado no princípio de kavush kimvushal. Daí, expelindo o conteúdo "kasher" pode não ser uma solução, pois o conteúdo pode ter se tornado não-kasher.

11. Pode-se assumir que os estearatos não são noten ta'am no produto mesmo que sejam mais do que um sexagésimo. Quanto aos aromas adicionados, embora com os produtos alimentares naturais e/ou sabores artificiais devem ter uma supervisão confiável, pode-se supor que são batel em um medicamento ou vitamina (por diversos motivos davar she'avidi letaama afilu be'elef lo batel não se aplica). Quanto aos equipamentos, não precisa se preocupar que os ingredientes do medicamento foram processados em equipamentos não-kosher (ver Shulchan Aruch YD 122:6 Stam keilim einam benei yoman).

12. Tal como definido anteriormente na seção cholê she'ein bo sakaná.

13. Veja nota 8.

14. Os métodos e porcentagens de bitul a seguir não podem ser aplicados a outros casos. Xaropes e analgésicos para tosse contem um máximo de 20% de glicerina (uma proporção de 1:5). Quando 1 colher de chá (5 ml) é misturada em pelo menos 2 fl. oz (60 ml - fazendo uma proporção de 1:12) de água, suco ou refrigerante, a glicerina se torna batel beshishim (uma proporção de 1:60). Não há qualquer problema de chatichá na'asset nevelá, uma vez que um cholê tem o status de "hefsed gadol" e o Remá YD 92:4 diz que não há chatichá na'asset nevelá em lach belach bish'ar issurim behefsed gadol.

Em circunstâncias normais, uma pessoa não pode juntar 60 vezes comida kasher a alimentos não kasher para anular este. Por exemplo, não se pode adicionar pedaços de bacon a um cholent sessenta vezes maior do que o bacon, assim fazendo bitul (anulando). Isto só se aplica aos alimentos que são inquestionavelmente não kosher. No entanto, é permitido anular safek issur (ver Shach YD 92:8). Portanto, uma vez que o xarope para tosse é apenas safek issur (a glicerina pode ser kosher), a pessoa pode levatel (anular) adicionando-o a uma bebida kosher. A Star-K discutido este assunto com várias empresas, determinou que o xarope para tosse não perde sua potência, adicionando a quantidade prescrita a outras bebidas. Estas empresas recomendam misturá-lo com suco de laranja, suco de maçã ou água potável e beber toda a solução. O leitor deve ser alertado de que estes métodos e porcentagens de bitul não podem ser aplicados a outros casos (ver Remá YD 92:4). Se a diluição apresentar dificuldades (por exemplo, para um bebê), um Rav deverá ser consultado.

15. Isso é feito em um processo chamado de micro-encapsulamento, onde a vitamina é seca sobre uma base de gelatina. A gelatina freqüentemente não é listada no rótulo do produto final. A permissão em tomar uma vitamina depende do motivo que ele precisa do produto, tal como abordadas nas Categorias de Doenças.

16. Para obter uma lista de vitaminas pré-natais kosher, ver a lista de Medicamentos OB-GIN Aprovados http://www.star-k.com/cons-appr-obgyn.htm.

17. Por exemplo, se o produto rótulo indica lac caninum-4C, isso indica que leite de cão (não-kasher) foi misturado com 99 partes de um diluente (a letra "C" significa que no produto final a tintura-mãe é 1:100 ). A mistura foi novamente misturada com um diluente na proporção de 99:1. O processo foi repetido quatro vezes (conforme indicado pelo número 4). Se alguém determina que o diluente é kasher, o remédio pode ser tomado, como o leite de cão é agora apenas uma parte em 100 milhões! Se o rótulo indica 60C, o ingrediente não-kasher é diluído na proporção de uma parte em 10060 [ou seja, 1:1000 ... (120 zeros na sequência de 1!)].

Se o rótulo especifica 6X, isso indica que a tintura-mãe foi misturada 1:9 ("X" indica que a tintura-mãe está na proporção de 1:10 no produto final) e, em seguida, novamente uma porção desta mistura foi misturada na proporção de 1:9. Este processo foi realizado seis vezes. 6X constitui bitul, como o ingrediente original não kasher está batel (na proporção de 1:106, que é um para um milhão).

18. Convém notar que o álcool utilizado em remédios derivados de flores, pode ser feito de brandy e é geralmente não-kasher (stam yeinam).

19. Uma pessoa pode dizer que o principal ingrediente deste remédio é batel beshishim. O diluente (álcool ou lactose) é um safek derabanan (safek stam yeinam ou guevinat akum). Portanto, se é impossível para o que requer tomá-lo determinar isso, a pessoa pode ser capaz de dizer safek derabanan lekula, especialmente no caso de um shelo kederech achilá. Deve-se notar que um produto que contém um vestígio de um produto não kasher, ou possivelmente ingrediente não kasher (mesmo que seja batel beshishim) não podem ser certificadas Star-K ou Star-D.

20. Em remédios, a pessoa pode assumir que o solvente é kasher (ver nota anterior). É preciso rever os outros ingredientes inativos. A erva é kasher. (No entanto, se proveniente de Israel, a pessoa teria que abordar a questão de Terumot e Ma'asrot. Salvo especificado o contrário, pode-se supor que não é de Israel.) Precisa-se notar que nem todos os produtos vendidos com "ervas medicinais" são derivados de ervas. Por exemplo, geléia real vendida muitas vezes com ervas medicinais não é kasher, já que é secretada a partir das glândulas de abelhas. (n.t. Quanto a isto há uma grande divergência na Halachá, o autor sustenta que é proibido.)

21. Se a pessoa guarda chalav Yisrael e necessita um medicamento que contém lactose, um Rav deverá ser consultado. A possibilidade de ser leniente baseia-se no seguinte: A lactose é feita a partir de soro, que é um subproduto do queijo. Há Poskim que permitem o uso de queijo não-chalav Yisrael quando as vacas são ordenhadas para fazer queijo (ver Remá YD 115:2). Hoje, podemos assumir que um queijo foi feito a partir desse leite. Isto também se aplica ao heter de soro de leite e lactose.

22. Veja Pitchei Teshuva 89:3.

23. Shulchan Aruch 328:1. Esta halachá também se aplica a Yom Tov, mas não se aplica no Yom Tov Sheini [ou seja, o segundo dia de Shalosh Regalim (Pêssach, Shavuot e Sukot), o último dia de Pêssach, e Simchat Torá] - ver Mishná Berurá 496:5. Para os fins desta halachá, o segundo dia de Rosh Hashaná não é considerado Yom Tov Sheini e esta halachá se aplica.

24. Alguém com acne deve consultar um Rav se a medicação pode ser tomada em Shabat. Se pode tomar vitaminas em Shabat depende de cada situação e está fora do escopo deste artigo. Um Rav deverá ser consultado.

25. Veja Shulchan Aruch OC 230:4 e MB ibid. 6.